A ESCRITORA PULP CLARE WINGER HARRIS

Já falamos aqui sobre as ficções pulp, lembra?

Nessa toada, uma das autoras destaque (mas pouco lembradas hoje) foi Clare Winger.

Clare Winger nasceu em 18 de janeiro de 1891. Enquanto estava na escola, conheceu Frank Clyde Harris, um veterano da Primeira Guerra Mundial. Casaram-se em 1912. Em 1923, Clare escreveu seu primeiro e único romance publicado, Perséfone de Eleusis: Um Romance da Grécia Antiga, por meio da Stratford Company, sediada em Boston. Três anos depois, a Weird Tales Magazine publicou sua história “Um mundo em fuga” (“A Runaway World”) na edição de julho. Atribuído à “Sra. F. C. Harris ”, é a primeira história de ficção científica americana escrita por uma mulher usando seu próprio nome.
O reino em que Clare estava publicando era decididamente estranho. Embora se tenham publicado histórias científicas estranhas desde o Frankenstein de Mary Shelley em 1818, não foi até o advento das revistas populares que o gênero se tornou popular. Amazing Stories e Science Wonder Stories, eram destinadas ao leitor mais jovem com suas capas totalmente pintadas, ilustrações especiais e histórias densas impressas de polpa de celulose (daí o nome revistas Pulp), um papel barato. Elas tinham colunas de cartas nas quais os leitores podiam oferecer críticas e trocar cartas em uma espécie de Internet datilografada primitiva. Muitos desses primeiros escritores de cartas assumiram funções significativas e lucrativas como escritores, editores e editoras. A ficção científica foi adotada e, em seguida, veiculada por seus fãs de primeiro contato.
Em junho de 1927, enquanto Clare morava em Lakewood, a Amazing Stories organizou um concurso de redação preparado por Hugo Gernsback, que agora abraçara totalmente a publicação de ficção científica (chamada de cientificação). Clare entrou, junto com outras 358 pessoas, com sua ópera espacial “O destino de Poseidonia” (The Fate of the Poseidonia), em que o abastecimento de água da Terra é roubado por oportunistas marcianos. Clare ganhou o terceiro lugar essa história (com uma protagonista feminina) e assinou como “Clare Winger Harris”.
O prêmio abriu portas para Clare. Ela publicou extensivamente nas pulps nos três anos seguintes, especialmente para Gernsback. As histórias variam de pitorescas, emocionantes e aterrorizantes.

Algumas edições da Wierd Tales e Amazing stories trouxeram Clare como destaque.

Sua história “O ciclo do macaco” (“The Ape Cycle”) na edição de maio de 1930 da Science Wonder Quarterly é geralmente considerada a última. Então, de repente, aos 39 anos, Clare parou. Alguém até escreveu para Amazing Stories no final de 1930 e perguntou: “O que aconteceu com Clare Winger Harris? Eu sinto falta dela…” Todo relato de sua vida diz que ela parou para se concentrar em criar seus filhos.
Quando Clare saiu, sua popularidade era tão grande que seu nome era regularmente usado em capas como propaganda. Ela poderia ter, como seus colegas, escrito romances, histórias em quadrinhos ou mesmo para o cinema.

Versões antigas e a atual para Longe do aqui e do agora (relançado pela Cyberus em 2021)

Embora Clare tenha desaparecido da vida de escritora, suas histórias foram reimpressas com grande regularidade em outras revistas de ficção científica, embora com notas biográficas semelhantes. Em 1947, ela publicou por conta própria uma coleção de contos intitulada Away from the Here and Now: Stories in Pseudo-Science da Dorrance Press sem qualquer introdução. Seguiram-se outras reimpressões e inclusões de fãs e acadêmicos, de Richard A. Lupoff e Lisa Yaszek, entre outros. Ela foi recentemente incluída em uma exposição de verão de 2018 no Museu de História de Pasadena que celebra os autores de ficção científica da área. Todos os relatos publicados sobre Clare Winger Harris revelam que ela parou de escrever, criou sua família e morreu em 1968. Alguns chegam a dizer que ela não tinha parentes vivos.
Nos 130 anos da autora, a Editora Cyberus propõe uma reedição da coletânea de contos Longe do aqui e do agora, no Catarse.

O livro reúne onze contos nos principais tropos da ficção científica: ciborgues, cientistas loucos, viagem tempo, space opera, evolução acelerada, mundos alienígenas e mais!  Esses textos foram escritos originalmente para as revistas pulps entre 1926 e 1930. 

Maurício Coelho

Nasceu em Belém (PA), é antologista, contista e tradutor. Pela Editora Madrepérola, organizou Cidades a vapor, Contos das almas fabricadas, Teslapunk: realidades alternadas e O livro da ficção científica brasileira. É editor, escritor e tradutor. Em 2020, lançou a Editora Cyberus, que publica fantasia, ficção científica e horror.

Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=
download mobile firmware
Download Premium WordPress Themes Free
download udemy paid course for free
LEIA NOSSO BLOG

®Editora Madrepérola