Vitrais iluminados

Confira o prefácio do lançamento O livro da ficção científica brasileira

Contos, devido ao tamanho limitado que os define, têm sempre a chance de serem um formato popular, agindo como drops de literatura: pode-se consumir aos poucos, sem um risco tão grande, como o de um romance, de perder a página, o fio da meada ou o envolvimento, uma vez fechado o livro. Antologias são uma ótima embalagem para quem gosta desse formato, contendo variedade de autores ou somente de temas (especialmente quando é de um autor só, o que no caso são coletâneas), podendo sempre apresentar novas ideias e novos pontos de vista, quando não, novos autores a novos leitores.
Contos de literatura fantástica têm mais responsabilidade, a meu ver: pois em seu curto espaço, há que contar uma história e ainda levantar um cenário que simplesmente não é o nosso, não é o cotidiano. E, ao ser breve, lança uma luz sobre as possibilidades não contadas, além da história que é narrada. Uma antologia fantástica lança diversas luzes de diversas cores, enquanto tenta fazer um conjunto maior.
No Brasil, há um interesse crescente por literatura fantástica — ficção científica, fantasia, terror —, sejam romances, noveletas ou contos. Em 2019, duas premiações da literatura fantástica no Brasil, os Prêmios Argos e LeBlanc, registraram respectivamente 15 e 23 antologias e coletâneas, criadas em português, escolhidas pelo público.
Contando-se ainda, como efeito prático desse interesse, as editoras especializadas em literatura fantástica que surgiram e proliferaram no mercado brasileiro nos últimos 15-20 anos. Elas investem não só em romances: novos editais de antologias chamando por contos que pipocam quase a cada semana, variando em tamanho e gênero/subgênero.
O resultado é: em sua tela (ou em suas mãos) está O livro da ficção científica brasileira, antologia na qual o organizador Maurício Coelho reúne 39 contos curtos permeando diversos temas e subgêneros comuns da Ficção Científica, todos de autoria inédita brasileira: viagem no tempo, distopias, invasões alienígenas — há de tudo um pouco, o qual não posso detalhar muito sob o imperdoável risco de contar spoilers (chance melhor dada ao meu prezado Gerson Lodi-Ribeiro, sem maiores preocupações com isso, ao assinar o posfácio do livro — conforme ele mesmo se gaba!). Mas adianto que, além disso, haverá a chance para o leitor divertir-se com a ação e mesmo parar para a reflexão, tal é a variedade da Ficção Científica.
Variedade esta que, combinada com o número de autores, com suas vozes e ideias próprias, refratam a luz da criatividade como um vitral sob o sol, com suas histórias multicoloridas compondo um estranho retrato que, a cada novo detalhe contemplado, mais consegue nos inspirar.

luizfelipe

Luiz Felipe Vasques é designer gráfico. Participa ocasionalmente de antologias do gênero fantástico e co-organizou duas, Super-Heróis (2013) e Monstros Gigantes – Kaiju (2015), ambas pela editora Draco. Participa da organização dos prêmios de literatura fantástica Argos e LeBlanc. É o responsável pela Sextas de Sci-Fi, a coluna do blog do Planetário do Rio sobre Ficção-Científica. É o atual presidente do Clube de Leitores de Ficção-Científica (2019-2021). Mantém os blogs http://blogdefc.blogspot.com/ e http://planeta.rio/blog/

Premium WordPress Themes Download
Download WordPress Themes Free
Download WordPress Themes Free
Download Premium WordPress Themes Free
download udemy paid course for free
download karbonn firmware
Download WordPress Themes Free
free download udemy paid course
LEIA NOSSO BLOG

®Editora Madrepérola