Recentemente eu ganhei um presente indiretamente da Editora Madrepérola. Esse presente foi saber que ele publicaria, em financiamento coletivo, no Catarse, As Revelações de Arsène Lupin, de Maurice Leblanc.

Escritor e jornalista francês, Maurice Leblanc abandonou a faculdade de Direito e tornou-se parte do círculo literário de Paris, onde trabalhou como jornalista. Seus primeiros romances eram inspirados na tradição literária do realismo francês que tinham como ícones Gustave Flaubert e Guy de Maupassant. Embora valorizados pela crítica, Des Couples(Os casais) de 1890 que foi dedicado ao seu mestre Maupassant; Une Femme (Uma mulher) de 1893 que o fez ser comparado a Flaubert, e, respectivamente, Contes du Gil Blas (Contos de Gil Blas) de 1892 e L’Enthousiasme (O entusiasmo) de 1901 não encontraram público.

Em julho de 1905, a pedido do chefe de imprensa Pierre Lafitte da revista mensal Je Sais Tout, publicou L’Arrestation d’Arsène Lupin, que imediatamente teve grande sucesso. Com a visibilidade do personagem, passou a se dedicar de forma exclusiva às suas aventuras, dando cada vez mais camadas ao criminoso. Desportista, muito culto, charmoso, anarquista, patriota, justiceiro, zombeteiro e torturado, Lupin abusa da hipócrita aristocracia que vive apenas das aparências para dar seus golpes e construir seu império do crime. Como versão às avessas do detetive britânico Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle que consolidou o gênero policial moderno (e com quem teve problemas judiciais devido a direitos autorais), na qual Leblanc usa Lupin para questionar a ordem social francesa de forma elegantemente e bem-humorada.

Um exemplo disso foi a controvérsia entre Leblanc e Doyle. Em sua sétima colaboração para a Je Sais Tout, o autor francês se apropria do detetive britânico do autor escocês para confrontar seu personagem no conto “Sherlock Holmes chega tarde”. O confronto acontece, e o protagonista rouba o relógio do famoso detetive, o ridicularizando na frente de seu contratante com um cartão de visitas. Em uma análise mais criteriosa, podemos dizer que Leblanc surfou no sucesso editorial de Doyle, o que o deixou furioso. Para evitar problemas com a justiça e abusado de sua fina ironia, Leblanc rebatizou o detetive de uma maneira não muito discreta: Herlock Sholmès, morador da Parker Street, onde divide apartamento com seu amigo Wilson. Além desse conto, Sholmès apareceu ainda em outros três livros: Arsène Lupin contra Herlock SholmèsA Agulha Oca e 813.

Não vou detalhar aqui cada um dos muitos eventos que aconteceram com Arsène Lupin. Mas, segundo o site Tout Arsène Lupin (2021), podemos nos concentrar na evolução da psicologia e do caráter do personagem. De 1874 a 1896 foi sua infância; de 1897 a 1914 seu período anarquista; de 1914 a 1919 seu período patriota; de 1920 a 1929 seu período burguês e por fim 1929 sua aposentadoria (?).

O livro As Revelações de Arsène Lupin da Editora Madrepérola originalmente é uma coleção de contos publicados na revista Je Sais Tout de abril de 1911 a fevereiro de 1913. Cronologicamente, Leblanc coloca essas histórias antes de A Agulha Oca e 813, ou seja, em seu período anarquista. Encontramos o ladrão de casaca em seus primórdios, enfrentando verdadeiras enrascadas e quebra-cabeças cujas intrigas são menos desenvolvidas do que as de seus romances e se afastando definitivamente do sombrio 813.

Como em uma autopoiese literária, Leblanc não só usa o sistema do conto policial de Doyle, mas recicla seus próprios componentes e diferencia-se no meio exterior. Sherlock é um típico cavalheiro vitoriano que cruza Londres com algo de solidão e liberdade dos romances de cavalaria enquanto Lupin junto com seus asseclas corta Paris como um verdadeiro dândi pícaro da Belle Époque. Se o romance policial se baseia no fato de que a moralidade é a mais obscura e ousada das conspirações como diz Chesterton, o autor fez seu personagem conseguir transitar no campo da literatura criminal de tal forma que foi finalmente reconhecido como escritor e imortalizado por sua criação, conseguindo popularizar um vilão que se torna anti-herói como protagonista no gênero policial, afirmando o sentido próprio da tradição francesa do gênero.

 

Igor Moraes é técnico em telecomunicações e escritor. Desenvolveu projetos para a coleção O que é ser cientista? da Universidade Federal do ABC. É fundador do site literário Golem e participou das antologias Insólito: o grande livro do fantástico brasileiro e O Livro da Ficção Científica Brasileira.

Download Best WordPress Themes Free Download
Download WordPress Themes
Download Premium WordPress Themes Free
Download Nulled WordPress Themes
online free course
download huawei firmware
Download WordPress Themes
ZG93bmxvYWQgbHluZGEgY291cnNlIGZyZWU=
LEIA NOSSO BLOG

®Editora Madrepérola